Home / Catolé do Rocha / Catolé do Rocha: 189 anos; conheça um pouco a história do município

Catolé do Rocha: 189 anos; conheça um pouco a história do município

Catolé do Rocha é um município paraibano que faz limites com os municípios de Belém do Brejo do Cruz, Brejo do Cruz, Riacho dos Cavalos, Jericó, Brejo dos Santos, João Dias, Almino Afonso e Patu, estes 3 últimos no Rio Grande do Norte.

Com uma área territorial de 551 km² e uma população de 30.661 habitantes, Catolé do Rocha é conhecida como “a cidade mais verde do sertão da Paraíba“. Quem nasce no município é catoleense.

História

Igreja Matriz Nossa Senhora dos Remédios, padroeira da cidade

 

Os historiadores mostram a descoberta destas terras, com os primeiros habitantes, presumivelmente os índios Pegas (ou Degas), Coyacus e Cariris, nos fins do século XVII. As bandeiras do governo Geral e dos capitães Paulistas matavam os índios, requerendo sesmarias de três léguas de comprimento por uma de largura. Eram eles os Garcia D’Ávila, os Rocha Pita e os Oliveira Ledo, que povoaram principalmente a região do rio Agon.

A história registra, no entanto, a presença de habitantes e fazendas de gado desde 1700, quando Dona Clara Espínola, o Conde Alvor, Manoel da Cruz, Bartolomeu Barbosa, requerendo a sesmaria de três léguas para cada um entre os providos de Poty e Riacho dos Porcos e do meio. O governo de então concede a Dona Clara Espínola e a Bento Araújo, terras no sertão de Piranhas e Riacho Agon ou Ogon.

Em 1717, Dona Clara solicita mais três léguas atingindo a corrente fértil, tendo início a colonização desde 1769.

Em 1754, Francisco Dom Vital, descendente de Teodósio de Oliveira Ledo, chega à região, estabelecendo-se às margens do riacho Agon.

O Tenente Coronel Francisco da Rocha Oliveira e sua esposa Dona Brásida Maria da Silva, iniciaram aqui as primeiras edificações, no ano de 1774, com a construção de uma capela em honra de Nossa Senhora do Rosário.

O território compreendia uma extensão de aproximadamente 5.400 km. E como aconteceu em quase todas as cidades e povoações nordestinas que surgiram, o seu início se deu às margens de riachos e nascentes ou subsolos que apresentavam condições favoráveis para o abastecimento d’água. Com Catolé não foi diferente: o seu início foi às margens do Riacho Agon ou Ogon ou ainda Yagô, onde havia água farta mesmo nos anos de estiagem.

Logo após a sua chegada, o tenente tratou de explorar a parte de terra que lhe cabia, organizando plantações, construindo fazendas para criação de gado, casas residenciais, como também a construção de uma capela no local onde hoje é a Avenida Américo Maia, próximo ao Banco do Nordeste, denominada Capela do Rosário. Anos depois, a capela do Rosário foi demolida para a abertura de novas avenidas, e foi construída a Igreja matriz, sob a invocação de Nossa Senhora dos Remédios.

O município conta com uma capela no sítio de Conceição, sendo a padroeira Nossa Senhora da Conceição, segundo os historiadores, foi a 1ª capela construída no município.

Após a construção da igreja de Nossa Senhora do Rosário, em fins do século XVIII, o lugar teve um surto de desenvolvimento, com o surgimento de algumas construções que marcaram a época como: o prédio da Coletoria Estadual, um sobrado com a fachada revestida de azulejos trazidos de Portugal, o prédio da Intendência a antiga Prefeitura, onde hoje funciona o Projeto Arte de Viver, o sobrado de Américo Maia onde funciona dois Cartórios e a Rádio Panorama FM, o sobrado Coronel Valdivino Lobo, já demolido, a Casa de Caridade, depois Colégio Leão XIII, atualmente Centro de Catequese e Pastoral.

A toponímia Catolé do Rocha deve-se a abundância de uma palmeira nativa, de nome Coco Catolé, e Rocha, uma homenagem ao seu fundador que tinha sobrenome Rocha. Alguns historiadores, afirmam também, ser costume de se referir a uma localidade, utilizando o nome de seu dono, acreditam também, por haver outra localidade com o nome de Catolé, costumeiramente se referiam a “Catolé dos Rochas” por pertencer ao Tenente Francisco da Rocha.

A autonomia administrativa de Catolé do Rocha começa a se concretiza em 1835 quando o então governador Manoel Maria Carneiro, presidente da província da Paraíba, através da Lei Provincial nº. 5 de 26 de maio de 1835, cria a Vila Federal de Catolé do Rocha.

Em 1935, 100 anos depois, pelo Decreto de 21 de janeiro de 1935, é elevada à categoria de cidade.

Atualmente

Avenida principal

 

Monte Tabor

 

Praça Prefeito José Sérgio Maia

 

Catolé do Rocha é uma das cidades polos mais importante do Sertão Paraibano e sua economia é baseada na agropecuária, comércio e indústrias. Nos últimos anos foram criadas diversas empresas principalmente nas áreas têxtil e de alumínio, gerando emprego e renda para seus moradores. 

Na Educação, além das escolas públicas, tanto estaduais como municipais, conta com várias escolas particulares, entre elas, podemos destacar o Colégio Normal Francisca Mendes, Colégio João Agripino Filho, Colégio Técnico Dom Vital e o CEAC. Conta também com a presença da rede federal de ensino IFPB – Campus Catolé do Rocha, e de um campus da UEPB (campus IV), onde se localiza a Escola Agrotécnica do Cajueiro

Na área da saúde o município conta com diversas clínicas, SAMU e dois hospitais, sendo o Hospital Regional Dr. Américo Maia de Vasconcelos e o Hospital Infantil Ermina Evangelista.

A cidade abriga ainda o 12º Batalhão de Polícia Militar, a 2ª Companhia Independente de Bombeiros Militar, a 18ª Delegacia Seccional de Polícia Civil, o Fórum Des. João Sérgio Maia, uma Comarca do Ministério Público da Paraíba, o Fórum Eleitoral da 36ª Zona, uma Vara do Trabalho e uma agência do INSS.

CATOLÉ AGORA e WIKIPÉDIA

Veja Também

Carreta tomba em curva e deixa motorista morto em Paulista-PB

Um grave acidente de trânsito foi registrado por volta das 22h40 desta quinta-feira (13) na ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.